Poesia

meio-exílio I

exilio

minha terra não tem palmeiras,

porque eu sou são-paulino;

tem micro a perder de vista,

armário, gaveta, escaninho;

 

tem esgoto, por sob as cabeças,

e pequenos bichinhos aos pés;

 

mas os amigos estão perto,

mesmo longe, e é isso que importa.

 

fps, 07/05/2011

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser