Enquanto isso, aqui em MG ...

O calor está gostoso, o pão de queijo continua ótimo - e daqui da lan house eu vejo o movimento da rua; tranquilo e pacífico, como deveria ser em toda viagem como esta.
Entretanto, eu interrompi meu exílio voluntário nas terras onde mana leite, pão de queijo e outros que tais para comentar uma matéria publicada por Ibsen Pinheiro e que está no blog do Noblat, no endereço abaixo, sobre as "leis escandinavas" que atualmente pulam em nosso país:
Descartando-se o campeonato por pontos corridos, o fato é que tem-se visto muito na sociedade uma espécie de cansaço do onguismo e do politicamente correto imposto pelos formadores de opinião, ditos "do bem", que querem fazer a proeza de transformar o Brasil na Noruega sem ter os recursos que fazem deste país a maravilha que ele é (para se entender melhor: a Noruega é o país de melhor qualidade de vida do mundo, medido pelo IDH, mas nada em petróleo e tem um governo que se preocupa em capitalizar-se, enquanto há recursos minerais suficientes para isso).
Não adianta o brasileiro achar que vai criar um país ultraliberal na base da proteção excessiva às minorias, como se fosse obrigatório aceitar o movimento gay e a defesa de cotas para ser "in"; tem gente que acha que o referendo foi um grande retrocesso conservador, mas a verdade é que está todo mundo um pouco cheio de fazer a sua parte e não receber nada em troca, e talvez seja por isso que estejamos todos nesse nível de insatisfação às vésperas de um 2006 que pode derrubar petistas e tucanos, cada um, do seu ninho.
Se os homens de bem fossem um pouco menos hipócritas e tivessem também suas ONG´s, e não olhassem tanto para o próprio umbigo, talvez esse país ia pra frente de verdade, não tão bonzinho, é verdade, mas pelo menos um pouco mais esperto e inteligente com seu povo
E voltamos ao nosso sossego habitual ... servido um pão de queijo? ^_^ ...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?