Poesia

Bloqueio meu inconsciente
insuficiente
para ver-te, num vulto,
repente,
de um jeito, talvez,
indecente,
tão inconse-quente,
num ponto obscuro,
inocente,
estrela cadente,
que revela e sente,
e mostra-se sempre,
presente,
sorriso
sem dente,
de lógica
ausente.
Resumo:
demente.

FPS, 28/02/2006, 22:37

Comentários

  1. Passando pra ver as novidades. Parabéns pelo destque no CDB. Naum sei o q comentar sobre a poesia, to assim sem palavras. Mais amei!

    ResponderExcluir
  2. Olá! Li, reli e achei interessante. Entendi o q vc disse, e acho q cada 1 é um pouco de tudo isso q vc passou! Bfs! BYE!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Faça seus comentários AQUI.

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?