Poesia

Sobre o meu ser

Pouco lhe falo, caríssima,

sobre o que penso da vida.

Pouco lhe digo, caríssima,

sobre o que penso dos outros,

das pessoas que convivo,

das pessoas que aprecio,

daquilo que me convém.

Pouco lhe falo, caríssima,

do pouco que sinto em vida,

do pouco que vejo em mim.

Do pouco que sinto em mim.

Mas de tudo um pouco, caríssima,

aprendi a olhar nas entranhas

pois sou homem de muitos sonhos,

vivendo, em termos tristonhos,

a procurar ser alguém.

Teus olhos, pequenos e fundos,

conseguem olhar em meu sonho

a tristeza que em um profundo

eu sinto bem dentro de mim.

Pois assim eu olho meu mundo,

procurando ver se na verdade,

pela imensidão da bondade,

a tristeza possa ter fim.

Porque, caríssima,

teus olhos são tão belos

quanto as noites de um luar claro,

que ilumina meu pobre coração

e me incita a olhar para dentro

de mim mesmo,

à procura de alguma coisa que me faça feliz

e ilumine os caminhos de minh´alma sofrida.





Nos teus olhos eu vejo essa luz.

E por ela caminho,

a procura de mim.



fps

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?