Poesia

Poema dadaísta do fim de tarde após correria do dia-a-dia

afinidades
são um fim
que não se encerra
em si mesmo

a fim
estou mesmo
é de não parar
não esperar
não sonhar
não identificar erros mil
não agir
não fazer nada

nada
nada
nada
nada
nada
nada

nada mesmo

enquanto o tempo passa
e o mundo em que vivo
cai no vazio
dos sentimentos
das atitudes
das ações
de tudo

tudo
tudo
tudo

tudo

e nada

e enquanto não paro
o tempo continua a andar

continuamente.

fps, 17/09/2010, 17:43

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser