Confesso: detesto viagens de férias ...

Eu abomino as viagens de férias, típicas da classe média, de gente que não faz a mínima questão de ser educada porque está pagando muito caro por tudo o que consome.

Detesto a amolação de ter que sair de uma viagem já pensando na seguinte, e as pilhas e pilhas de fotos digitais que a gente tira a cada viagem porque é baratinho, menos de 1Mb cada uma, e que servem só para marcar o território, porque, fora do micro, dificilmente a gente vê.

Odeio ver que perdemos o senso de como as coisas funcionam, e que, numa viagem planejada por meses a fio, nos comportamos como boçais que deixam o cérebro em casa.

E que fingem não saber (ou nunca souberam) o que as palavras "ridículo" e "bom senso" significam.

Mas eu abomino viagens de férias porque elas me impedem de fazer as viagens que gostaria: conhecer uma amiga que me deu um livro de presente no Recife, um colega de uma igreja seminarista em Fortal, ir ao fim do mundo em um bate-e-volta, visitar meu irmão de moto aqui pertinho, ver cachoeiras e montes verdes novamente ...

... coisas simples, ou malucas, mas que me dariam muito mais prazer do que simplesmente viver o "sonho brasileiro" de emendar viagens uma na outra para dizer que está aproveitando a vida, mesmo que, bem lá no fundo, não sobre muita coisa disso para contar aos outros.

A não ser, é claro, do sonho de outra viagem classe-média.

E outra, outra, e outra ...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser