Clichês, ah, clichês ...

Um colunista da Carta Capital tentou desconstruir os clichês da direita militante, aqueles que a internet violenta passa todos os dias. O resultado foi esse aqui.

Contudo, cada um tem visões diferentes da mesma polêmica, e resolvi fazer a minha, pegando os mesmos "textos genéricos" que foram apresentados para mostrar uma visão menos, digamos, engajada do tema, obedecendo a própria ideia do texto de discutir tais clichês. Segue minha conclusão:

“Negros tem preconceitos contra eles mesmos”

Relativo: a cultura negra no Brasil, assim como a indígena, foi dissolvida no meio de séculos de miscigenação (que a esquerda se recusa a admitir que existiu muitas vezes por livre e espontânea vontade).

Mas, para ficar no exemplo comum: qual o problema do cidadão se ele é um negro famoso e deseja ficar com uma loira de parar o trânsito, ao invés de uma "mulata globeleza"?

“Não precisamos de consciência preta, parda ou branca. Precisamos de consciência humana”
Essa frase, apesar de dúbia, mostra uma realidade inconveniente para a esquerda: atrás da concessão de privilégios há muitos que não acreditam em uma palavra da mentalidade igualitária e contra a opressão.

Aliás, é um fato, muitos defendem o combate ao racismo principalmente para se dar bem, não para obter igualdade (haja vista a quantidade de gente que fica negra no vestibular e branca na faculdade).

“Heteros morrem mais do que homossexuais. Portanto, somos mais vulneráveis”
Falso: não somos mais vulneráveis, somos a maioria.

Porém, homossexuais morrem pelo mesmo motivo que os heteros, não somente por homofobia, como a esquerda militante quer mostrar. Homofobia, nesse caso, é agravante, não causa dos crimes, e não vai acabar por causa do PL 122 (é capaz de piorar por causa dele).

“Estamos criando uma ditadura gay (ou racial) no Brasil. O que essas pessoas querem é privilégio”

Não exatamente.

Estamos querendo que um grupo da sociedade (o dos heterossexuais defensores da sociedade tradicional) aceite à força os valores de grupos oprimidos à força, sejam eles gays ou negros. Queremos que eles sejam declarados "protegidos" de um suposto "opressor", numa sociedade na qual o mérito próprio é tão ou mais importante que o grupo social de onde a pessoa faz parte.

Não deixaria de dar encrenca. E da grossa.

“A mulher deve se dar o valor”

E o homem também, porque não? Tente agir como um safado, ou um calhorda, na vida real: ninguém fica com você, só quem não presta.

“Os homens também precisam ser protegidos da violência feminina”

A Lei Maria da Penha pode ser usada por analogia, para proteger a violência doméstica da mulher contra o homem que tem vergonha na cara. No mais, a regra é de maridos violentos e mulheres oprimidas, e ponto.

“O humor politicamente correto é sacal”

Humor politicamente correto é humor engajado, que tem só um lado: o do esquerdista militante. Não se preocupa em fazer rir, apenas em criticar o opressor para quem o apoia.

Por isso, não tem gosto, nem cheiro, a não ser que você queira "refletir" sobre a piada.

“Bolsa Família incentiva a vagabundagem. Pegar na enxada e trabalhar ninguém quer”

Se tivesse enxada para todo mundo, faria sentido. Mas as estatísticas comprovam: metade das pessoas que entram no Bolsa Família sai assim que consegue um bom emprego, porque ninguém quer viver de esmola o tempo todo (a não ser os sem-noção, que não tem classe social).

“Na ditadura as coisas funcionavam”

Ledo engano: na ditadura a corrupção rolava solta, não pelos militares, mas por seus puxassacos, e ninguém ousava falar nada. Quem discutia "dava uma voltinha" com os agentes da ditadura, muitos deles doidos de pedra, e nunca mais aparecia. 

Entretanto, confesso que para o "homem de bem" a ditadura era perfeita num sentido: nada lhe acontecia - pois a polícia era duríssima com os pretos, pobres e prostitutas, nunca com os distintos senhores e trabalhadores de bem da classe média descendente de imigrantes, que podiam andar com seus melhores vestidos e roupas finas na rua enquanto sumiam com os indesejáveis da sua frente.

“Você defende direito de presos porque ele não agrediu ninguém da sua família”.

E se você tivesse um filho preso, não defenderia o direito dele? Duvido que não o fizesse - e se um dia disser "ele não é mais meu filho", desculpe, mas você nunca foi um verdadeiro pai.

“A criminalidade só vai diminuir quando tiver pena de morte no Brasil”

Mentira, da grossa: os EUA tem muito mais gente na cadeia do que aqui. Tão mentiroso, aliás, quanto dizer que a bala na nuca da China resolve a corrupção: a China é muito mais corrupta do que o Brasil, tem pesquisa que comprova isso.

“Político deveria ser tratado por médico cubano”

Qualquer um deveria ser tratado por médico cubano. Até quem fala isso.

“Deveriam fazer testes de medicamento em presidiários, não em animais”

Começam com presidiários, depois passam para negros, gays, qualquer um que não me agrada. E, já que falamos de presidiários, repito a pergunta: porque você não se oferece para os testes? Ou seu filho, que não é mais fofinho do que um beagle cuti-cuti?

“Por que você não vai para Cuba?”

E você, porque não vai para Miami? Mas não vale ir como turista, para gastar dinheiro: vá para trabalhar lá, e ver como eles tratam quem rouba o emprego do americano "redneck".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?