Poesia, revisitada ...



O sonho e o sofrer (II)

Princesa,
quisera eu poder ver-te.

Quisera todo o tempo ...

Quisera que o tempo parasse, para estar bem junto a ti.

Dá-me de teus carinhos,
para que eu possa viver o tempo que jamais vivi.

Dá-me dos teus destinos,
dá-me a vida que eu não tive.

Eu, caminheiro errante, desde os tempos que nasci,
vivo para ver os teus olhos.

Ando tão só, neste mundo ... no mundo que escolhi ...

Dá-me mais do teu sorriso,
para que eu seja feliz.

Dá-me a felicidade.

Dá-me ... ou deixe que a dê.



Princesa,
a felicidade existe.

Sei que em teus caminhos
encontraste tristezas,
dificuldades,
desilusões,
choro e dor.

Mas, princesa,
a felicidade está em todos os caminhos
por onde passamos.

Procure a felicidade, princesa,
e a encontrará,
pois, em todo canto que andares,
haverá motivos para estar feliz.


E quem me dera ver-te feliz sempre e sempre,
minha doce princesa.

Sempre ... feliz.





fps, 12/01/2015

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser