Poesia



"num primeiro momento, eu sinto profundo ódio de mim mesmo, do que estou fazendo comigo; depois, como num assombro, quero colo, quero ser digno de pena;
súbito, penso 'que droga, porque eu é que tenho que assumir tudo como um erro meu?'

finalmente, sinto desgosto, e um profundo ressentimento comigo, por não ser corajoso.

não vai voltar ao normal.

- queira deus que não,
uma morte vagarosa é muito pior do que um fim rápido."

fps, 29/07

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser