Poesia



Você passa por mim na rua. 

Me ignora, finge que não existo.

Mas, escondida, chora - assim torço eu.

Você me olha de longe, acena, fascina, me excita.

Você, você ...

Da janela, você vê meus acertos, meus erros.

Mas na rua, nem me observa.

Finge que não vê.

Espero que não chores, porque eu não posso chorar por isso.

fps, 29/04, 19:00

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser