Comentários olímpicos (antes que passe a euforia ...)

Que festa, senhores ... que festa!

...

Embasbacados até agora, com o que o Rio pode fazer de melhor, esquecemo-nos por uns tempos das coisas ruins que ouvimos, e falamos, sobre o Brasil e ligamos a chave do ufanismo (embora, dessa vez, com o pé atrás pelos maus momentos que passa o país).

Diga-se de passagem, apesar de tudo o Brasil é capaz de fazer Jogos Olímpicos memoráveis. Toda Olimpíada, aliás, tem momentos inesquecíveis, e o Maracanã provou que sabemos fazer boas festas.

...

Temer vaiado? Claro. Políticos sempre serão os "papagaios de pirata", e o brasileiro não perdoa quem quer ser maior que a festa. Ainda vai existir o brasileiro que realmente goste de protocolo oficial, com discursos intermináveis exaltando os feitos dos chefes e governantes de plantão.

De mais a mais, não custa lembrar que os estádios brasileiros, até agora, só aplaudiram ditadores - Médici e Vargas estão aí para mostrar que as massas não costumam ser exemplo de reflexão.

...

Anita arrasou (e ainda deu patada no Waack, que glória!). 

...

Era para ser o Pelé. Mas a justiça fez com que Vanderlei acendesse a pira.

Afinal, o imaginário coletivo diz que futebol é futebol, Olimpíada é Olimpíada. E com a opinião do povo não se brinca: "vox populi, vox dei".


...

E que pira, gente. Que pira!

...

Os Wright inventaram o planador. O avião, esse é nosso.

...

Aquecimento global? Sim, claro, é bom economizar recursos.

Entretanto, quem dá o crédito de carbono para os países da periferia se desenvolverem?

...


Um texto anterior, desse que vos escreve, mostra o que achava pouco antes da Olimpíada começar:
Desde a sua refundação os Jogos Olímpicos serviram para muita coisa, boa e ruim. Propaganda de ditaduras, marketing de empresas, reconstrução de cidades, superação dos atletas. Serve até para o reforço dos nacionalismos (embora muitos hoje em dia achem que isso não tenha tanta importância). 
Prefiro acreditar, contudo, que para um grupo de pessoas tudo valerá a pena. Os atletas brasileiros, sempre desprezados, mereciam muito mais respeito do governo e iniciativa privada (tanto quanto, por exemplo, os nossos expoentes culturais, que tem privilégios e dinheiro que passam longe de nosso Esporte). 
Se nesta Olimpíada nossos atletas fizerem bonito, me dou por satisfeito. Eles só tem essa oportunidade para garantir o pão dos próximos quatro anos - pois as medalhas é que dão visibilidade (e, consequentemente, o investimento, ou a falta dele). 
Nosso país não sabe fazer marketing institucional. Isso está provado. Mas ao menos o Esporte devia ficar como um legado.
Se os atletas conseguirem um recorde de medalhas, e o país conseguir engatilhar uma boa política esportiva em consequência disso, todo o esforço de Nuzman, o arquiteto do Pan e da Rio 2016, esse dinheiro todo terá valido a pena.

...

Ingenuidade? Talvez. Mas permita-me isso.

Afinal, fosse pelos espertos, nunca faríamos Jogos Olímpicos no Rio.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?