Prosa, rápida ...

Vai tomar ...

Não falava palavrão.
Nenhum.
Culpa da moral puritana, do velho pai e da mãe repressora.
Mas o fato é que aquele dia era diferente: estava cansado do dia-a-dia, chegara atrasado, dívidas que não dava pra pagar, trabalho constante. E a decisão - reagir.
"Não vou deixar passar batido, o primeiro que me encher o saco eu falo".
E aconteceu; alguém grita:
- Ô, MEU !!! NÃO ME OUVE NÃO, É?
Ao que ele responde:
- VAI TOMAR ... gasp, gasp, blub ... um comprimido, pra ver se passa esse pigarro, chefinho ...

FPS, 16/02, 15:30

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser