Poesia (do Olho Clínico original)



Bela, faceira, dengosa, gostosa -
todos os adjetivos lhe cabiam bem.

Mas não era para qualquer um que ela se daria.

Então, ele a conheceu.

Dela se utilizou, abusou, gostou, amou -
e enfim, a desgraçou.

E, sem escolha, foi para a vida,
que de bom grado a acolheu.

E amou, mas sem amor;
gozou, mas sem prazer;
viveu, querendo morrer.

E então, outro "ele" passou.

Amou, sonhou, desejou,
com ela se casou.

Hoje, ela vive feliz, em contrato comum:
ele, ela, e o Ricardo,
que da história só fez parte no final.

FPS, 21/06/2004, 15:32

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser