Poesia

espetinho
 
Boteco numa tarde de calor

Silêncio ...

Incomum para um boteco,
no momento em que todos sairam do almoço
e ainda não chegaram os que à noite
farão a festa daquela casa,
e do seu dono.

E sentado, diante do caixa,
como quem não quer nada,
o empregado solitário sonha ...


E com o que sonharia?
 
Com uma musa,
a mulher amada?
 
Ou com a gostosa da esquina?
 
Quem sabe,
com tempos melhores
para si e para o povo?
 
Talvez …
 
Com a queda da bolsa?
 
Ou então a subida do dólar?
 
Se bem que isso, na verdade,
traz mais é pesadelos
a quem tem dinheiro investido.
 
Bem, com o que ele sonha, eu não sei,
mas ele não está aqui para isso,
logo ...
 
 
 


... ACORDA, MEU !!!
 
´Tá pensando que a vida é doce, é?

 
fps, 20/08/2010, 16:10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser