Como votar bem para deputado nessa eleição

Eleições vão e vem, discussões e mais discussões extensas sobre reforma política e dos costumes ocorrem sempre mas ninguém se preocupa em dizer como é que vamos melhorar os costumes políticos sob o sistema eleitoral que aí está, já que, para decepção dos analistas políticos, a lista fechada proporcional continua sendo a forma de se distribuir as cadeiras nos Legislativos país afora.

Pior: não há nenhuma perspectiva de mudanças nesse sistema, seja porque não há interesse dos nossos representantes na mudança (explicação das revistas) ou porque o eleitor tem mais o que fazer do que ficar discutindo sobre assuntos cansativos que, aparentemente, não lhe dizem respeito algum (explicação mais próxima da realidade).

Logo, considerando-se o fato de que votaremos nesse sistema e que não adianta ficar discutindo sobre reformas inexistentes, ou inviáveis, esse blogueiro pergunta: alguém já se perguntou qual a melhor forma de votar em um deputado nas eleições que estão chegando?

Não, com certeza você não se perguntou sobre isso, até porque o brasileiro se orgulha de não ser politizado e o assunto “como elegemos nossos políticos” nunca faz parte da pauta das reuniões familiares e dos jantares de gala de uma sociedade que cita Bertold Brecht mas nem sabe quem ele foi.

Contudo, como esse blogueiro gosta de dar sua opinião sobre tudo o que o cerca, aqui vai uma série de sugestões de como votar para deputado, independente da preferência política de quem está nos lendo agora:

  1. Escolha um candidato e não vote somente no partido: votar na legenda significa concordar que qualquer membro do partido serve para ser seu representante no parlamento; como em todos os partidos políticos há o candidato “bom” e o candidato “mau”, e muita gente tende a votar no “mau” político justificando o que ele faz ou deixa de fazer, cabendo a você, eleitor esclarecido, colocar os bons no topo da lista e jogar os maus para o fim da fila - e para fora da carreira política, corrigindo os erros que nem um Ficha Limpa poderia corrigir no futuro.
  2. Prefira escolher seu candidato a presidente ou governador e, depois, o candidato a deputado dentre os partidos que o apóiam: não entre nessa de dizer que “ele / ela não pode ter vida fácil” porque sem apoio o governo precisará fazer mais e mais acordos para se manter, aumentando o preço per capita das alianças necessárias para aprovar as Leis e o Orçamento (que, lembrando, só é aprovado se o Legisiativo der o seu OK).
  3. Se você votar em branco, não fique reclamando depois dos políticos: votar em branco ou em nulo de propósito significa dizer que qualquer um serve para ser seu representante, até mesmo o Tiririca; e geralmente quem mais reclama dos políticos é quem fez o que não devia, ou seja, se omitiu na hora do voto dizendo que “é tudo igual, mesmo”.
  4. Mas, principalmente, vote em quem você gostaria de ver defendendo seus interesses no Legislativo: o melhor voto é aquele que se dá com satisfação, e que você dá consciente de que fez a escolha que vai de acordo à sua visão de mundo (que é o que interessa mesmo nessa hora).

E mais uma coisa: se seu candidato não for eleito, cobre do partido, já que o seu voto vai ajudar a eleger o resto da “chapa” de candidatos do partido X ou Y ou Z; ou cobre de outros parlamentares do seu Estado, já que, um dia, eles terão de pedir votos novamente se quiserem se reeleger.

Mas cobre; porque eles é quem dependem de nós, e não o contrário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser