Prosa … não sei se repetida …

crucificacaovistadoespaco

O espaço ... a fronteira final do Evangelho ...

Com o desenvolvimento das primeiras missões interestelares, impulsionados pela II Revolução Industrial de 2070, pelo desenvolvimento de novas fontes de energia tecnológica e pela crescente escassez de recursos verificadas em nosso planeta a partir da segunda metade do século XXII, insuficientes para atender a cerca de 12 bilhões de pessoas em todo o mundo, o Congresso Mundial das Nações Unidas decidiu-se, de forma unânime, por redobrados esforços na colonização e procura de novos planetas para atender à toda essa gente que não poderia ficar em uma Terra cada vez mais devastada.

No mesmo dia, o mundialmente conhecido William Joseph Graham Smith IV declarava, em mais uma de suas megateleconferências digitais da Cruzada Mundial pelo Evangelismo Completo, vista por milhões de pessoas em suas digitelevisões 3D multifacetadas: "já estamos evangelizando o mundo, mas isso é pouco. Deus quer mais do que nós; ele deseja que povoemos o Universo da mensagem de Cristo, e quer que o façamos AGORA, SEM DEMORA, JÁ !!!".

Foi a senha para que diversas igrejas pelo mundo, de todos os estilos e formas, procurassem o Governo Mundial, situado em Genebra (após os atentados múltiplos que destroçaram a sede da ONU em 2020 e 2023 em mais uma guinada para a direita dos grupos extremistas americanos) para que permitissem que missionários dos mais diferentes tipos se juntassem aos grupos de colonizadores, proporcionando-lhes "o afeto e o carinho que só o amor de Deus poderia lhes dar", nas palavras do Apóstolo Ricardo Castellaños Montenegro, presidente do Grande Concílio Internacional da Graça do Pentecostes e um dos principais incentivadores da empreitada.

A princípio o Governo Mundial negou a tal empreitada, mas diante dos insistentes apelos políticos (votos em massa dos neoevangélicos) e emocionais (rios de dinheiro oferecidos  pelas campanhas de colaboração dos neotradicionais e ultrapentecostais autênticos), gentilmente foi cedido aos cristãos de todo tipo espaço nos supercruzadores que singrariam o Espaço em busca da tão propalada Fronteira Final, indo audaciosamente onde nenhum homem jamais pisou os pés e levando o Evangelho a lugares nunca dantes navegados (ou vistos, ou olhados, ou sentidos, enfim ...).

Milhares de missionários se impulsionaram ao espaço infinito naquela época - principalmente depois da comprovação de que existiam, sim, vidas em outros planetas, o que tornou a expressão "escalada por outros povos" uma costumeira presença nos cultos pelos quatro cantos do universo e a "missão evangelística" muito mais forte do que jamais tinha sido visto no mundo, com a profusão de denominações como "Marte para Cristo", "Reformados de Plutão", "Igreja Apostólica do Planeta X-22", e por aí vai ...

É claro que tal escalada não se passou sem traumas, e muitos: mórmons encheram as luas de Órion à procura do Deus de seus pais, que jamais teriam visto; adventistas não encontraram formas para guardar seus sábados nas sonhadas Plêiades, em que inúmeros planetas de até três sóis impediam que se soubesse qual era o horário em que o Sol se punha (decisão da Conferência Geral, posteriormente, decidira que o horário era o da Terra e ponto final); sem falar em outros tantos exaltados entraram em inúmeros conflitos com povos desconhecidos, e das miscigenações de pseudo-cristãos, e das interpretações de que a volta de Cristo era finalmente uma realidade próxima (sim, porque não só o mundo, mas o UNIVERSO conhecia o poder de Deus e a sua Glória ...).

...

Por aqueles tempos o comércio interestelar adquiria proporções gigantescas, de tal forma que um rico comerciante resolvera partir para uma viagem de negócios na colônia terrestre de Babylon 8. Entretanto, seu filho adolescente o intrigara com uma pergunta simples, porém de difícil solução:

- Pai, esse mundo está completamente doido; que caminho devo seguir? Tem tantos lugares onde se falam de Deus, mas nem tenho idéia de onde ir, para onde vou?

O pai, entretanto, já tinha a resposta, e disse que a daria em momento oportuno; e esse momento surgiu no espaçoporto de uma cidade chamada Guarulhos, num país que outrora se chamara Brasil, depois de uma pequena viagem em que passaram por uma enorme mesquita folheada de prata e um pagode budista que se erguia até ao céu:

- Lembra do que me perguntou filho? Está aqui a sua resposta.

- Mas pai, o que é esse livro aqui? Que estranho, nem é um "e-book" ...

E o pai:

- Esse livro, meu filho, é uma Bíblia que foi minha e também do seu avô. Sim, eu sei, não é uma digiBíblia modelo G7xyz, com procura de versículos e 800 imagens; mas a tradução é a mesma de quase 2700 anos (sim, a Ferreira de Almeida ainda era usada naquela época). É um pouco grande, porque tem uma chave bíblica dentro dela; como é um livro, você vai ter mais dificuldade para procurar os versículos, mas vai ser até melhor porque vai poder ler mais enquanto isso, e ...

O sinal para a partida tocara.

- Tá, tá, tudo bem, pai. Mas o que isso tem a ver com a minha pergunta?

E ele, suspirando antes de sair para o portão de embarque:

- Todos procuram uma resposta para suas vidas, um caminho a seguir - a resposta é só essa, meu filho, procura na Palavra de Deus e verás, tenha certeza !!!

E, enquanto o pai partia para uma viagem que duraria meses, talvez anos, um filho ficava com a melhor resposta para as dúvidas de sua vida, tão simples e fácil que não se precisa viajar até aos confins do universo para descobrí-la ...

 


fps, 19/09/03, 17:09

(créditos da imagem: clique aqui)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?