Poesia

 
 
em que nos transformamos?
 
meu Deus, meu Deus do céu,
o que viramos?
 
de homens, em trapos, inanimados.
 
de humanos, em lixo.
 
seres estáticos, anestesiados,
dopados pelo medo.
 
em sonhos,
imaginamo-nos portadores
de um glorioso passado.
 
mas hoje só trememos.
e não é de frio.
 
que foi?
não fui eu.
 
que é?
sei lá, não tenho idéia.
 
não criei esse mito,
não fiz esse mal;
 
mas convivo com ele,
e bebo seu fel.
 
diariamente.
 
 
fps, 08/01/2012, 20:59

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser