“Eu quero os meus direitos, e o Corinthians que se …”

O caso lamentável da punição ao Corinthians pela Conmebol vai continuar chamando a atenção, seja porque se tenta (mais uma vez) culpar as torcidas organizadas por todos os males do mundo futebolístico, ou porque a Fiel Torcida vai, mais uma vez, entoar o mantra de “todos contra o Timão” para justificar a existência dessa punição.

Tirando a falta de sorte de ter sido um torcedor preto-e-branco que acionou o sinalizador e que, numa atitude sem noção, provocou a morte de um garoto de 14 anos, todos estão agindo de acordo com o que se esperava: a Conmebol cumpre a promessa de tornar a Libertadores uma competição de primeiro mundo, e o Timão tenta, a todo custo, reverter uma punição que dói na parte do corpo que mais nos afeta.

Ou seja, o bolso.

,,,

Até aí, normal: todos os atores estão exercendo o papel que deles se espera. Mas a atitude dos torcedores que, através de liminares, conseguiram valer o direito de assistir ao jogo na quarta-feira foi, no mínimo, absurda, embora embasada na lei: isso porque, apesar de todos os apelos do clube para que o jogo fosse efetivamente com portões fechados, “quiseram exercer seu direito” à força. 

Os “torcedores de liminar” não respeitaram o que o próprio Corinthians implorou para sua massa, e decidiram que assistir a um jogo num estádio vazio era mais importante do que evitar punições ao clube (que são possíveis, lembremos bem).

Apesar de tais direitos serem amparados legalmente, é de se perguntar se realmente um torcedor que impõe sua vontade ao próprio clube está realmente disposto a sacrifícios verdadeiros pelo seu clube, ao contrário das organizadas que costumam “roer o osso” quando o time enfrenta dificuldades.

Nas séries B, C, D ... e onde ele, o clube, estiver.



Não podemos negar, R$ 227,00 não é “dinheiro de pinga”. Contudo, espera-se que o torcedor respeite o perigo que seu time corre e que tenha amor pela camisa, e não pelo dinheiro ou pelo “direito”, muito menor do que a alegria de um Campeonato Mundial.

Porque, agindo assim, os torcedores de liminar não ajudaram ao clube.

Simplesmente disseram: “eu quero os meus direitos, e o Corinthians, que se vire; o problema do time não é problema meu”.

...

Aliás, curioso: Gaviões e outras assistiram aos jogos em suas quadras, e em suas casas, como o time pediu ...

Comentários

Postar um comentário

Faça seus comentários AQUI.

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser