Poesia



Reflexões sobre o vazio existencial de um ser humano qualquer
(que deveria estar afogando as mágoas num bar e não fazendo poesia)
 
Quando eu morrer,
não me enterrem em qualquer lugar.
Me cremem, assim ocupará menos espaço.
 
Quando isso acontecer,
façam um favor a mim:
botem uma webcam no funeral.
 
Assim,
quem não quiser vir à Igreja
não precisará sair de casa para me homenagear.
 
Apenas fará suas orações,
desligará o equipamento
e seguirá para sua vida.
 
Quando eu daqui sumir
façam o que quiser com meus emails,
meus sonhos e meus pensamentos.
 
Apenas mantenham meu registro virtual.

Não mexam no Orkut,
no Facebook,
no blog,
no flog,
no Twitter,
no Show ...
 
(aliás, o que é Show?).
 
Isso peço
para que eu seja eternizado,
enquanto os servidores do mundo estiverem no ar.
 
E para que todos se lembrem
de quem um dia eu era.
 
Do que eu fiz.
 
E do que eu fui.

fps, 01/01/10, 21:04
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser