Poesia: Sexta




Sexta

Noite, de um dia de outono,
comida farta na mesa,
depois do jantar, sobremesa.
 
Descanso, logo vem o sono,
e o acordar tarde, certeza
de que não se irá à empresa.
 
Sejam bemvindos à sexta-feira.
 
De validos e vencidos,
do início da gandaia.
 
Da preparação para o sábado,
dia sagrado dos judeus.
 
De trabalho para alguns,
de expectativa de outros,
dos vendedores a espera.
 
E, para muitos, descanso,
expectativa de sono,
justo, gostoso e tranquilo,
do povo que chega às onze
enquanto outros vão às baladas
e não voltarão tão cedo.
 
(isso se voltarem)
 
Mas o fato é que ...
uaaah ... é sexta-feira.
 
 Noite, de um dia de outono,
a comida é farta na mesa;
depois do jantar, sobremesa.
 
Descanso, logo vem o sono,
e uma certeza:
 
 
 
 
Amanhã, não se irá à empresa.

fps, 17/07/2009, 18:26

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?