Poesia



Noite escura e fria, na rua vazia.

Já é mais de meia-noite.

O som que se ouve
é tão-somente de grilos
na rua vazia.

Rua.

Vazia.

Fria.

De interior
ou de capital?

Não importa.

O que importa é que ela dorme,
tranquilamente.

E eu durmo com ela,
esquentando seus sonhos.

E ela me esquenta
enquanto durmo.

Numa noite escura.

Na rua vazia.

fps, 18/01, 13:16

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?