Quem sou eu?



Quem sou eu?

Eu sou aquele seu colega de trabalho, que está do teu lado, mas que você não conhece. 

Talvez você tenha ouvido falar do meu nome, só de relance, ou tenha visto minha foto na parede, naquele comunicado da firma ou na lista de recados. Você pode ter me visto de longe - e nem me reconhecido, ou parado para me cumprimentar (e isso porque, ora, você não me conhecia, claro!).

Pode ser que você já tenha falado comigo. Pelo telefone, ou pessoalmente, para que eu lhe resolvesse "alguma coisa". Ou para "me resolver alguma coisa", não sei - afinal, quem é prestador de serviços também pode precisar de "uma ajuda".

Para alguma coisa.

...

"Uma ajuda". "Alguma coisa". "Alguém". Sempre no indefinido. 

Não temos nome, até que alguém nos diga "bom dia". 

"Boa tarde". "Boa noite".

"Olá, tudo bem?"

E, no entanto, não paramos para pensar ... "quem é esse cara que eu cumprimentei, mesmo?".

...

De tudo o que poderia falar de mim, apenas repito a primeira sentença que me veio à mente quando criei o meu Twitter (antigo, mas não tanto quanto a vontade de escrever, que tenho desde sempre). 

"Eu ... eu ... eu sou eu".

Simples e objetivo - como, aliás, deveria ser a essência dos nossos atos (embora, muitas vezes, necessitemos ser analíticos para entender o mundo).

Quanto ao mais, deixo a vocês este blog. 

Uma parte de mim, para você que aqui chegou.



fps, 15/01, 20:35

P. S.: Dez anos, bem, é tempo demais!!!! Parabéns, querida, por tudo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?