A lenda do mata-sem-vergonha


A lenda do mata-sem-vergonha

Da viela,
de onde não sai nada,
de repente,
um vulto sai.
É parrudo,
forte, botinudo,
um homem que vai.
Mas atrás
desse vulto forçudo
sai um cheiro também.
É enxofre,
beirando a estrume,
que não me cai bem.
E o gosto,
na boca, de sangue,
desliza, num ai.
É o vinho,
vinho do demônio,
que atiça, e atrai.
E o homem,
vulto tão forçado,
some no matão.
E na noite
o grito renasce:
morreu um varão.

"Em uma casa o pranto é total,
e em outra os perdidos riem de espanto;
mais uma vez ataca o mata-sem-vergonha,
aquele que vinga os perdidos e assalta os hipócritas,
rouba dos puritanos para dar aos mendigos,
ladrão sem direção, à procura da própria alma,
que o zebedeu roubou.
Cuidado, você pode ser a próxima vítima
do mata-sem-vergonha ..."

FPS, 05/09/05, 18:12

Comentários

  1. Muito bom esse texto como havia comentado na lista.

    abraços
    Flávio

    ResponderExcluir
  2. Poxa! Eu gostei pacas deste texto!

    abração

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Faça seus comentários AQUI.

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?