Poesia

Voz de um irresponsável

Estou alegremente caminhando para o precipício,
e não estou nem aí.

Estou sem nenhum ponto de vista ou opinião ao meu lado,
e não estou nem aí.

Não quero saber o que vou fazer no dia seguinte,
e por isso vou,
rumo ao infinito,
sem eira nem beira,
nenhum destino,
nenhum ponto,
nenhuma coisa a pensar,
nada a decidir,
nada a querer,
exclusivamente nada.

Nada.

Nada.

Nada ...



Nada a pensar,
nada a declarar,
nada a querer da vida.

Não seja um louco.

Não seja.

Não!
Não seja!

Não seja um louco como eu.



fps, 28/10/2008

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser