Poesia

Revisitando o nada

..... ... . . . . . . . .

.... ,,,, .. . ,,,. .. ,... ,.,,..,

,..,.,...,.;;;,.,.;,;,

.;,;.,;,;

;;.

;..,, .,

.;.....

;. ; .;.

.. ; ,,.,,;.,.,..

,,..;

;,.,.;,.

...,.

.,,. ,. .... .. . .. . ..

.,.,. ,.,.,.

//;/;/;/;.;//;.p..;.ç./ç.ç.k;/.//.././

././p./lpp/../pl.p./;.;/.//.

../;;././././;./

//;.;.//./.

;./;./;.;.;.ç.p /././.´---/./--p=-p]///.
./;ç./;../;...;...;./;/;//

/;/;/;~

~ ?

 

 

Continua sendo impossível para mim descrever o nada.

 

fps, 03/01/96, 09:35

Comentários

  1. O que seria o nada se às vezez o nada pode ser tudo e tem significado? O nada seria o vazio? Mas...nada...nada...nada...

    Um abraço do Sampa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Faça seus comentários AQUI.

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser