Prosa

Desde o início as regras foram claras:

Só sexo. Sem compromisso.

E com o tempo continuou assim, até que o coração começou a apertar a cada saída.

Sentiu medo, saiu daquela vida; e a regra para eles então coisa mudou:

Só sexo sem compromisso.

Mas algo faltava, não se sentia bem, e pensou que faltava alguma coisa.

Voltou, e aquietou-se, e aceitou de bom grado a nova diretriz:

Só sexo, e compromisso.

Mas o tempo, cidadão antigo, traz com ele a mesmice, e aos poucos traz imposição:

Só compromisso. Sem sexo.

Ao fim, se enchem um do outro, e caem fora do que seria o desastre.

E a realidade entre os antigos amantes se interpõe, como num alívio:

Nem compromisso.

Nem sexo.

fps, 26/03/2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Porque as Igrejas não discutem o que acontece na sociedade? Mais ainda: será que salgamos o mundo como deveríamos?