Declaração de amor, meio prosa, meio poesia

 

100_0732

Quer saber REALMENTE o que sou sem você, sem teus beijos, teu calor, teu sabor?

Pergunte para as casas de nossa rua, que não me viram dormir direito, em nenhum momento, desde que fiquei sem você.
 
Pergunte para minhas olheiras fundas, meu coração apertado, minha voz que nem disfarça o cansaço de quem tenta dormir (e não consegue), porque falta um espaço naquela cama que só você consegue ocupar direito.
 
Ah, pergunte também aos meus sapatos, que me levam a todos os lugares, mas assistem ao meu andar, sem cessar, para lugar nenhum, e para todos os lugares, só para fugir do que sempre esteve dentro de mim.
 
...
 
Vou dormir, para sonhar contigo.
 
Porque, quando sonho contigo, estou em paz.
 
Te amo.
 
fps, 17/07, 19:40

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser