Poesia



Corrida contra tudo

Um homem corre na escuridão.

Corre com medo de uma paixão.

Corre com medo de um grande vulcão.

Corre por medo de um dia pensar.

Corre com medo de um dia falar.

Corre sem medo do que há de vir.

Corre, por medo do que há de existir.

Corre, com raiva, com chuva, suor,
corre, fadado a uma destruição,
corre, que corre, num grande infinito,
corre, pois corre de todos também.

Corre, que corre, meu Deus, como corre,
o homem, no meio da escuridão.

Corre de medo, por um calafrio,
corre de si, e do medo, assim,
pois corre com tudo, o homem, no escuro,
e corre de todos, pois corre de si.

Corre o homem, com medo do mundo,
corremos nós que vivemos aqui.

Corramos todos, pois tudo aqui muda,
corramos mesmo, p´ra fora daqui.

Corramos muito, pois o tempo corre,
e quem já não corre mui morto está.

Corramos, pois, esperando o futuro,
pois nosso presente sombrio será.

  

fps, 22/02/1996

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser