Poesia: Amor de elevador

amor de elevador
elevador
Encontrei meu amor.

No elevador.

Subindo, descendo,
apertando botões.

Saindo apressado
pelos corredores.

Olhares furtivos, desculpas.

Um oi, um sorriso.
Um belo narciso.

Que não me vê.

Preciso.
Preciso de seu amor.

Preciso.

Precioso.

Lindo, belo.

Como só ele poderia ser.

Lindo, jeitoso, bonito, amável.

Como ele sempre deveria ser ...
ou como não sei se ele realmente é ...

Mas como ele é?

Ah, não sei.

Só sei que preciso dele.

Ai, como eu preciso ...




Encontrei meu amor.

No elevador.

Mas ele não sabe que eu existo.
Nem que eu sou o amor dele.






Ainda não.

Ai, ai ...

fps, 27/09, 16:27

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conclusões sobre a Lei Seca

Poesia: Desespero da Arlequina

Dória prefeito: a vitória do que São Paulo é sobre o que ela deveria ser