30.12.05

Desejo ...

... que em 2006 vocês realizem todos os seus sonhos, ao menos os que só dependem de vocês, e resolver todos os problemas que estão ao seu alcance, mesmo os mais difíceis a princípio.
 
Que vocês possam ser mais conscientes de suas responsabilidades, mas que não as encarem como obrigações; que tenham capacidade de ver um mundo melhor a cada dia que passarem, e lutar por isso continuamente.
 
Que vocês - na verdade, nós - possamos compreender as diferentes realidades que esse mundo nos mostra todos os dias, e que possamos cumprir com nossas promessas de fim-de-ano e com outras que fizermos no decorrer deste período.
 
Que possamos, acima de tudo, ser felizes.
 
E que, em 2006, mais momentos felizes sejam vividos - para que em 2007 possamos começar tudo de novo, assim como agora saudamos o ano que se inicia.
 

 
Este texto fecha o ano de 2005 para os blogs Olho Clínico e Trash Etc.
 
Obrigado a você que está acessando esses humildes cantos da Internet pela primeira vez, e mais ainda a aqueles que vem continuamente a esses lugares e apreciam os textos que postamos aqui no ano que está de passagem.
 
A Deus, toda honra e glória; aos amigos, muito obrigado; a todos, fiquem na paz - e voltem em 2006, tem muito mais por aí ...

Desejo ...

... que em 2006 vocês realizem todos os seus sonhos, ao menos os que só dependem de vocês, e resolver todos os problemas que estão ao seu alcance, mesmo os mais difíceis a princípio.
 
Que vocês possam ser mais conscientes de suas responsabilidades, mas que não as encarem como obrigações; que tenham capacidade de ver um mundo melhor a cada dia que passarem, e lutar por isso continuamente.
 
Que vocês - na verdade, nós - possamos compreender as diferentes realidades que esse mundo nos mostra todos os dias, e que possamos cumprir com nossas promessas de fim-de-ano e com outras que fizermos no decorrer deste período.
 
Que possamos, acima de tudo, ser felizes.
 
E que, em 2006, mais momentos felizes sejam vividos - para que em 2007 possamos começar tudo de novo, assim como agora saudamos o ano que se inicia.
 

 
Este texto fecha o ano de 2005 para os blogs Olho Clínico e Trash Etc.
 
Obrigado a você que está acessando esses humildes cantos da Internet pela primeira vez, e mais ainda a aqueles que vem continuamente a esses lugares e apreciam os textos que postamos aqui no ano que está de passagem.
 
A Deus, toda honra e glória; aos amigos, muito obrigado; a todos, fiquem na paz - e voltem em 2006, tem muito mais por aí ...

28.12.05

Retornando do recesso: o analfabeto funcional e agradecimentos

No site ''Breves Notas'' (http://www.saboya.org), Lefebvre de Saboya resolveu colocar um link para o texto do brasileiro comum publicado neste blog, dizendo o seguinte:
 
''É por essas e outras que eu afirmo: o Brasil não tem solução.

O cidadão comum está sempre preocupado em resolver os problemas do dia seguinte. E dai? Agora, achar que isso é desculpa para ser um analfabeto funcional já é demais.

Viver no Brasil tem dessas coisas.''

E, de certa maneira, ele tem razão nesse argumento: o analfabeto funcional é acima de tudo um dependente das opiniões de terceiros, como inclusive retruquei no endereço http://www.saboya.org/231/#comments:
''Desculpa para ser um analfabeto funcional, com certeza não existe - e é por essas e outras que o Brasil vive nessa mediocridade de “meios termos” na política, economia, cultura e outras áreas do conhecimento humano.''
Entretanto o mundo gira e a lusitana continua rodando, ou seja: apesar de nós, os ''informados'' de plantão, os analfabetos funcionais continuam reproduzindo-se como feijões plantados em terra boa - e como tal situação pode ocorrer, mesmo em tempos de Internet disponível para muitos e opiniões rodando à solta, em blogs, TVs e o escambau?
 
Tentei dar uma resposta ao Saboya, no mesmo comentário:
''Para a grande maioria dos que querem tomar uma posição, é assim que pensa o brasileiro médio - e, como no capitalismo você faz o que o seu cliente deseja, continuamos vivendo sob a ditadura de Homer Simpson e Lineu, que são, mais do que estereótipos, retratos de uma sociedade analfabeta de opiniões, o que é triste, mas é, acima de tudo, a realidade do cotidiano.''

E infelizmente, é esse o nosso paradoxo: numa época em que temos cada vez mais acesso às informações, cada vez mais estamos selecionando-as de acordo com nossos próprios preconceitos e nossas formas peculiares de ver o mundo, ensinadas pela família, sociedade, amigos e conhecidos - e, por consequência, cada vez menos procuramos opiniões diferentes para construir nossa própria visão de sociedade, gerando analfabetos funcionais que não tomam posição sobre nada que não seja vinculado ao seu cotidiano.

E esse ''paradoxo de Homer Simpson'' é outra daquelas coisas que não gostamos, mas que existem: muita informação, mas pouca gente disposta a absorvê-la - faz parte, meu caro Saboya, faz parte ...

...

Para não dizer que sou masoquista por citar em meu blog alguém que me criticou: Lindemberg e Manoel, obrigado pelos comentários e pela preferência em geral.

E, para a meia dúzia que acessa esse blog mas não deixa recado: comente que eu respondo, após o sinal (piiiiiiiiiiii....).

O que eu ando vendo por aí ...

Fifa Fever: não vi o filme completo, mas sua maior virtude é justamente seu maior defeito, ou seja: ser imparcial ao extremo, até porque é um filme mundial sobre uma entidade mundial que cuida de um esporte mundial.
 
Se você quer entender como o futebol chegou ao ponto que estamos hoje, veja este filme; mas se gosta de futebol brasileiro, veja ''Pelé Eterno'', que é muito mais negócio e muito mais ufanismo (''eu/sou bra-si-lei-ro/com mui-to orgulho/com muito amo-or ...'').
 
...
 
Os Amadores: torço para que dê certo - ninguém ainda topou falar do universo masculino de forma tão sincera. Ainda mais da fase dos 40, em que muitos já desistiram da vida e outros ainda estão começando a aprender o que ela é de fato.
 
Como há duas vagas para cinco séries em 2005 na Globo, ninguém sabe se vai para a frente; mas não custa sonhar de verdade.
 
...
 
Liveman, via Tokufriends: o supersentai que quase veio para o Brasil mas parou na falência da Manchete teve episódios legendados recentemente em português pelo hub de fansubbers TKBR.
 
E eu recomendo, no mínimo por saudades de uma época em que ficção científica era feita ''na raça'' e a gente precisava acreditar mais no roteiro - e menos na computação.
 
...
 
Robôs: bom para explicar ao seu filho alguma coisa sobre capitalismo, moral e sociedade; sem falar vale a pena ver Gianecchini transformar uma lataria em galã só usando a voz; eu recomendo.
 
...
 
Meu nome é Rádio: Cuba Gooding Jr., excelente; e a história é dos raros ''baseados em fatos reais'' politicamente corretos que funciona sem parecer o ''Capitão Planeta''.
 
Recomendado pelo meu irmão e por mim - e olha que meu irmão é extremamente exigente ...
 

23.12.05

Um conto diferente de Natal

O braço direito

Não sei até agora porque é que eu me envolvi nessa história - aliás, até hoje não entendo direito o que aconteceu quando recebi em minha casa, naquele dia 17 de dezembro, uma proposta para entrevista de emprego muito especial mas que era ... como direi ... coisa de maluco, louco, insano até.
 
Dizia a carta, em letras manuscritas que pareciam ser de uma caneta tinteiro, e num papel que tinha um logo estranho, parecido com um pinheiro de natal estilizado com uma estrela cadente sobre o dito cujo:
 
"Sei que está desempregado, mas tenho um trabalho bom para você. Venha, no dia 19, às 23h, ao Campo de Marte vestido de camisa pólo vermelha e calça preta, para facilitar a sua identificação; traga malas e roupas de frio, pois vai precisar; finalmente, acredite em tudo que você verá a partir deste momento, mas, principalmente, nos sonhos da criança que você foi um dia.".
 
E, ao final, a assinatura, singela e extremamente simpática: "N. de Mira".
 
Parecia uma piada, mas algo me dizia que deveria acreditar naquela carta e no seu remetente; além disso, o cheque especial estava qual queijo suíço derretido, e, com dois filhos pequenos para criar, realmente eu deveria acreditar em qualquer oportunidade que passasse pela frente.
 
E foi assim que eu, às 23 horas do dia 19 de dezembro, estava lá, esperando pelo que seria o mais impressionante teste de emprego que qualquer homem jamais passou.
 
...
 
Não conseguia ver naquele senhor que me esperava no aeroporto a imagem do que seria a empresa que me contrataria: era gordo, mas não chegava a ser balofo; extremamente alto; pele morena, rosto escanhoado; e vestido praticamente da mesma forma que eu, a não ser pela jaqueta marrom forrada de algo que me pareceu à primeira vista ser pele de carneiro.
 
- Signore, signore, sabia que você viria!
 
E, depois do forte e cordial abraço que quase me quebrou uma costela, percebi pelo sotaque que era italiano de nascença:
 
- Mas vamos - vamos logo, que temos muito trabalho a fazer.
 
Minha esposa achou muito estranho que nos encontrássemos justamente no Campo de Marte, e tive até minhas confirmações quando vi que o nosso ''meio de transporte'' era um estranho veículo que não conseguia distinguir com precisão no escuro em que estava: uma espécie de carro sem rodas, parecendo-se muito com um trem mas que não era bem aquilo.
 
Tinha a impressão que meu contratador gostava de esportes radicais, que me foi reforçada quando recebi do ''signore'' uma jaqueta igual a dele com a recomendação expressa de que a usasse - mas comecei a achar realmente estranho quando vi que o veículo não estava indo bem para a frente e para os lados, e sim ... para cima.
 
Soube nesse momento que estava viajando - mas não tinha a mínima idéia de para onde ia; e, afinal de contas, que tipo de helicóptero era aquele?
 
...
 
Acordei de uma forma meio esquisita: deitado, estava no que me pareceu ser um ambulatório, apesar de ver uma série de camas minúsculas e instrumentos diversos em tamanho reduzido. Dava a impressão de que estava num lugar realmente muito diferente, principalmente depois que vi a enfermeira entrar dentro da sala e me perguntar se estava tudo bem e normal e etecetera e tal.
 
- Não, estou bem, fora eu estar nesta sala onde tudo é pequeno, até a senhora ...
 
E era verdade: a enfermeira era praticamente uma anã, não tinha mais do que 70 centímetros de altura, se muito. Mas seu bom humor era muito marcante - tanto é que uma gargalhada se ouviu antes de ela me responder, de forma bem educada:
 
- O senhor vai ver muitas pessoas assim por aqui, não se espante muito com isso. Mas não é por isso que estou aqui: o Sr. N quer vê-lo em sua sala, e pediu para levá-lo até lá com urgência.
 
Lembrei-me do tal ''N. de Mira'' que assinou a carta e recobrei o resto dos sentidos: era a hora da entrevista.
 
Arrumei o que precisava arrumar, peguei o curriculum na pasta de trabalho que sempre me acompanha e segui para a sala onde meu futuro me aguardava, não sem antes notar as linhas de montagem e embalagens multicoloridas que eu via no caminho para a sala da diretoria ...
 
...
 
Tive a grata surpresa de ver o mesmo senhor que me recebeu no aeroporto dentro da sala, ricamente adornada e acarpetada com o que me pareceu ser um conjunto de peles de animais dos mais diferentes tipos - e, considerando-se que ele estava atrás da mesa ao fundo, não me surpreendeu que ele fosse o Sr. N informado pela secretária (mais um furo, que coisa !!!).
 
- Bemvindo, ''signore'', como está? 'Va bene''?
 
- Vou bem, obrigado - mas gostaria de lhe fazer algumas perguntas, se me permite ...
 
- Estou às ordens.
 
- Em primeiro lugar, o senhor parece ter uma cota para pessoas de baixa estatura nesta empresa; por todo lugar que eu vá encontro sempre pessoas, vestidas de verde, indo para o lado e o outro correndo atrás das linhas de montagem ...
 
- Muito observador o senhor, continue.
 
- ... e me parece que esta é uma fábrica de brinquedos, se não me engano; mas com uma produção que está extremamente atarefada, não sei se o senhor leu meu curriculum antes mas é que eu já trabalhei em produção e vi que estão correndo muito para atender os pedidos e ...
 
- Sim, sim.
 
- ... além disso, que estranho veículo é aquele que me trouxe até aqui? E porque tive que me encontrar com o senhor no Campo de Marte, e porque a carta escrita à mão, e porque ...
 
Tinha vontade de perguntar tudo o que viera a mente - afinal de contas a situação era estranha, mas fui interrompido bruscamente pela voz branda do ''signore'' à minha frente:
 
- Não é no mínimo estranho que o ''signore'' é que esteja fazendo as perguntas ao seu patrão?
 
''Glup, que cortada!!!'' - foi a primeira coisa que me veio à cabeça; e a segunda, lógico, foi a de que perderia o emprego antes mesmo de entender o que ele era. Mas, felizmente, o Sr. N me tranquilizou:
 
- ''Va bene'', desculpe-me por não ter dito muitas coisas a respeito de mim e do que eu faço - é que precisava ver se o ''signore'' iria atrás de uma oportunidade como a que vou lhe oferecer agora. Mas, assim que me apresentar, tudo estará esclarecido, porque os bons meninos sempre sabem no que devem acreditar, e o ''signore'' é um deles, e me provou isso.
 
E, estendendo-me a mão, apresentou-se:
 
- ''Piacere'', Nicolau de Mira.
 
...
 
Nicolau, Nicolau de Mira, São Nicolau de Mira ... só podia ser ele; mas eu precisava de uma prova.
 
- Posso ir até a janela, por favor?
 
E, de fato, o que eu vi me surpreendeu: neve, neve branquinha como nunca tinha visto antes; pinheiros aqui e ali, num ambiente acolhedor e extremamente ... frio.
 
Desloco meu olhar para dentro da sala, e vejo que a quantidade de brinquedos artesanais me lembra muito aqueles de minha infância; e, ao lado, vejo por uma tela de vidro o movimento de uma fábrica frenética, povoada de homens verdes pequeninos preparando bonecas, e ursinhos, e jogos, enchendo bolas ... e preparando tantos tipos de brinquedos quanto os imaginados pelo ser humano.
 
E foi aí que, num ímpeto impressionante, eu mesmo respondi ao que queria perguntar, como em um estalo:
 
- O senhor ... o senhor é Nicolau de Mira, São Nicolau pela Igreja Católica, que jogava sacos de dinheiro aos pobres na Idade Média jogando-as por cima das chaminés; distribui presentes todos os anos para as crianças boazinhas no mundo todo e vive no Pólo Norte, onde tem sua fábrica de brinquedos; e é chamado por vários nomes pelo mundo ...
 
- Oh, você realmente é esperto !!!
 
- Agora deu para entender um pouco das coisas que aconteceram: a enfermaria é cheia de coisas pequeninas porque são quase sempre duendes que vão para lá, o veículo estranho era um trenó e eu estava no Campo de Marte porque é de lá que saem os helicópteros de São Paulo; provavelmente eu desmaiei no início da viagem, porque a força gravitacional do trenó é algo de espantoso ...
 
- Sim, sim, é verdade.
 
- ... e a fábrica está correndo assim porque estamos perto do Natal, faz todo o sentido do mundo, até o sotaque, a não ser por uma coisa que eu gostaria que o senhor me respondesse, ''Sr. N'', se bem que essa pergunta é absolutamente esquisita ...
 
- Quais delas, ''signore''?
 
- Lá vai, então: o que eu estou fazendo aqui, Papai Noel?
 
...
 
Noel nada disse de imediato - apenas me estendeu alguns documentos, os quais li com atenção.
 
O primeiro era uma cópia do meu curriculum, que impressionou porque não sabia como ela viera parar ali - o que era lógico, afinal nenhum adulto manda carta para o Papai Noel, muito menos um curriculum vitae. Mas, junto a esta cópia, estava uma cartinha, escrita em uma letra que reconheci de imediato ser a do meu filho de sete anos e cujo texto quase me levou às lágrimas, tamanha a beleza do que ele pedia naquele momento.
 
Dizia a tal carta:
 
"Papai Noel, eu não peço nada para mim, porque sei que o senhor está muito ocupado e para mim nada está faltando - mas o meu pai está sem emprego e não dorme faz muito tempo; minha mãe está triste e fica chorando, e eu fico triste e choro também.
 
Sei que meu pai leva essa cartinha com ele sempre que vai buscar emprego, por isso estou mandando ela pra ver se o senhor ajuda ele - ele é o melhor pai do mundo e eu sei que o senhor vai ajudá-lo a conseguir isso.
 
Por favor, Papai Noel, arranja um emprego pro meu pai."
 
Controlando as lágrimas, entreguei o curriculum para o bom velhinho - que começou a lê-lo, pausadamente:
 
- Aqui ''diche'' que o ''signore'' é engenheiro de ''produzione'' e logística ... trabalhou por doze anos em fábrica de tutto quanto é produto, e também foi controladore de vôo e é piloto nas horas vagas, estou certo?
 
- Sim, é verdade; quando prestei o serviço militar - cheguei a ver uns corpos estranhos nos radares no Natal ...
 
Pausa para mais um estalo: ''realmente, devia ser o trenó do Noel - e eu que pensava que estava maluco, que piada'' ... e, enquanto pensava, Sr. N agia:
 
- Vou ser direto, ''signore'', que estamos perdendo tempo aqui: o ''signore'' conhece do céu muito bem, até pegou o meu trenó no radar do Bresile; e ''io'' estou precisando justamente de um supervisor de logística para as minhas entregas de Natal, até referência o ''signore'' tem porque a carta de um bom menino como seu filho é a melhor coisa que Papai Noel precisa ...
 
E Noel olha bem na minha cara, e dispara:
 
- O ''signore'' não quer fazer um teste este ''anni''? Ser o supervisor das minhas entregas de Natal?
 
Era muito arriscado, insano, absolutamente maluco - mas eu era mais louco que tudo aquilo, porque eu topei o serviço.
 
...
 
Já faz três anos que tudo aquilo aconteceu; no primeiro ano tudo é mais difícil - as pessoas, os comportamentos, mas depois passou a fazer muito sentido que Papai Noel precisasse de um supervisor para a distribuição de brinquedos no Natal.
 
Para começar, há pelo menos dezessete trenós distribuindo as entregas de Natal da fábrica do bom velhinho: e, antes que eu desiluda as crianças, é Noel que faz a maior parte do trabalho (uns 80%), sendo que as crianças que não forem atendidas por ele este ano com certeza estarão na rota do ano seguinte. E é aí que eu entro, controlando todas as rotas e cuidando para que nenhum destes trenós deixe de chegar ao seu destino, nas 31 horas de trabalho da véspera de Natal.
 
Meu trabalho vai longe: além de 25 de dezembro, existem outras crianças que só vão receber os presentes no Ano Novo e no Dia de Reis (principalmente na Rússia) - e, em todos esses dias, o trabalho é bem pesado. Depois, tiro uma semana de descanso no Nordeste, já que ninguém é de ferro, e estou de volta para mexer com as linhas de produção e distribuição que o Sr. N gentilmente cede ao Coelho da Páscoa, de tal forma que só vou tirar férias mesmo depois de abril.
 
Na volta, começa o trabalho árduo que só vai parar em janeiro - sabe o que é fazer brinquedos para todas as crianças antes do Natal chegar? É, estamos trabalhando duro pela felicidade do pessoal (se bem que tem suas vantagens, como, por exemplo, poder usar os vários trenós no final de semana - imagine, estar no sábado em Paris, no domingo em Tóquio, semana seguinte no Brasil ... e por aí vai).
 
Minha mulher até quer trabalhar comigo, lendo as cartas de Natal - e meu filho, esse fica todo orgulhoso quando diz que o pai dele é ''o braço direito do Papai Noel'', se bem que ninguém acredita. Mas ele acreditou em Noel, assim como eu.
 
E é por isso que, quando você vir o trenó de Papai Noel rodando pelo céu, lembre-se de que alguém, aqui na Terra, está cuidando para que ele chegue ao seu destino - porque ele é que entrega os presentes, mas alguém precisa cuidar das coisas enquanto ele está lá em cima.
 
Feliz Natal à todos - e bom trabalho pra mim, ho, ho, ho ...

FPS, 23/12/2005,15:03

22.12.05

Balada para um louco - e quem disse que não somos?

Dica: na voz de Moacyr Franco essa música fica absolutamente fascinante ...

Balada para um Louco


    (Astor Piazzolla/Horacio Ferres | Vs. R. Cardozo)

Num dia desses... ou... numa noite dessas
Você sai pela sua rua... ou pela sua cidade...
Ou sei lá... pela sua vida
Quando de repente por detrás de uma árvore apareço eu
Mescla rara de penúltimo mendigo
E primeiro astronauta a por os pés em Vênus
Meia melancia na cabeça
Uma grossa meia-sola em cada pé
As flores da camisa desenhadas na própria pele
E uma bandeirinha de taxi livre em cada mão
Você ri? Você ri porque só agora você me viu
Mas eu flerto com os manequins
O semáforo da esquina me abre três luzes celestes
E as rosas da florista estão apaixonadas por mim
Juro, vem
Vem, vamos passear
Eu assim meio dançando, quase voando
Te ofereço uma bandeirinha e te digo:

Já sei que já não sou
Passei, passou
A lua nos espera nessa rua é só cantar
E um coro de astronautas, de anjos e crianças
Bailando ao meu redor te chama: vem voar!

Já sei que já não sou
Passei, passou
Eu venho das calçadas que o tempo não guardou
E vendo-te tão triste pergunto o que te falta
Talvez chegar ao sol - Pois eu te levarei

Louco, louco, louco
Foi o que me disseram quando disse que te amei
Mas naveguei as águas puras dos teus olhos
E com versos tão antigos eu quebrei teu coração

Louco, louco, louco, louco, louco
Como um acrobata demente saltarei
Dentro do abismo do teu beijo até sentir
Que enlouqueci teu coração e de tão livre chorarei

Vem voar comigo, querida minha
Entra na minha ilusão super-esporte
Vamos correr pelos telhados com uma andorinha no motor
Do Vietnã nos aplaudem
Viva, viva os loucos que inventaram o amor!
E um anjo, um soldado e uma criança
Repetem a ciranda que eu já esqueci
Vem, eu te ofereço uma multidão
Rostos brilhando, sorrisos brincando
O que sou eu, sei lá
Um tonto, um santo ou um canto à meia voz

Já sei que já não sou
Nem sei quem sou
Abraça essa ternura de louco que há em mim
Derrete com teu beijo a pena de viver
Angústias nunca mais; voar, enfim voar

Ama-me como eu sou
Passei, passou
Sepulta os teus amores
Vamos fugir, buscar
Numa corrida louca
Um instante que passou
Em busca do que foi
Voar, enfim voar

Viva!
Viva os loucos!
Viva, viva, viva, viva...

P. S.: Em breve o BBB 6 estará por aí ... e eu tentarei me inspirar para escrever nesse cantinho ...

Estatísticas do blog em 2005 - I

Estava pesquisando, nas estatísticas do Webstats4U, qual é o tipo de browser utilizado para acessar esse blog - e os resultados foram surpreendentes, ao menos para mim:

Navegadores
icon
1. Internet Explorer 6.x 54.5 %
2. Mozilla Firefox 1.x 27.3 %
3. Safari 1.x 18.2 %
Sistemas operacionais
icon
1. Windows XP 63.6 %
2. Mac OS 18.2 %
3. Windows 2000 9.1 %
4. Windows 98 9.1 %

Explico: é que, até pouco tempo atrás, o Internet Explorer tinha cerca de 85% dos acessos juntamente com o Windows XP - e me surpreendeu, até certo ponto, o avanço do Firefox entre os navegadores e do Mac OS entre os ''sistemas operativos''.
 
Aliás, para quem está acessando esse blog com Mac OS: fiquei extremamente curioso por causa desse tal de Safari - e ficaria agradecido se alguém me informasse se tem para Windows XP ...
 

Fé por fé, eles estão na nossa frente ...

Do UOL Tablóide, uma notícia interessante:


15/12/2005 - 10h23
Igrejas alemãs terão telões para jogos da Copa do Mundo

Da Redação

Futebol é isso aí. Vinte e dois caras correndo atrás de uma bola - e o mundo inteiro prestando atenção. Veja mais esta notícia sobre a Copa do Mundo de 2006: as cerca de 16 mil igrejas alemãs e outras instituições protestantes do país distribuirão junto com seus livros de orações e cânticos um calendário das partidas do torneio com informações da Fifa.

Mais do que isso: igrejas, especialmente as evangélicas, abrigarão telões gigantes para que os fiéis possam assistir ao vivo às partidas do torneio.

De acordo com o jornal "Berliner Morgenpost", muitos pastores usarão seus cultos para pedir oração à seleção alemã porque "o time (do técnico) Juergen Klinsmann necessita de todo tipo de ajuda" para chegar ao tetracampeonato.

As informações são da agência Ansa.


FPS3000: O futebol alemão pode ser meio travadão (meio?), mas nesse ponto eles estão milhas à nossa frente - confiando em Deus, acima de tudo. Sim, porque não adianta nada falar que Deus é brasileiro sem fazer a oração mínima: ''Senhor, permita que ganhemos a Copa".

E a gente ainda diz que ELE é brasileiro ...

20.12.05

E o cocalero ganhou ...

Bush filho já tem mais uma ''sombra'' para se preocupar no continente americano (isso se realmente ele perde o sono com as terras daqui); é Evo Morales, o homem que incluiu a Bolívia nos governos de esquerda da América Latina - seja isso para o bem ou para o mal.
 
Mas, fora as dúvidas sobre se ele será um novo Lula ou um novo Chavez, o que quer dizer ''a quem contentarei de verdade'', um fato foi muito martelado pela grande imprensa: o medo de que o Congresso boliviano tivesse que escolher o presidente no segundo turno - mas, que eu saiba, só no Brasil é que o Executivo governa com um Legislativo contra ele (governa?), e se a Bolívia nunca teve um presidente que durasse foi porque ninguém deu conta do recado de forma a contentar a sociedade.
 
A verdade é que esse ''sistema boliviano'' funciona bem se houverem partidos fortes, e, de preferência, representativos na sociedade; não adiantaria nada fazer uma eleição em segundo turno no Congresso no Brasil porque aqui era capaz de venderem a mãe literalmente para se manter no poder, o que é uma pena mas não deixa de ser a mais pura e cristalina verdade.
 
E, nesse ponto, louvem-se os bolivianos que deram todo o poder ao presidente eleito, com a metade das cadeiras do Congresso sendo repassadas ao MAS nova situação; sem falar que o Podemos se firmou como a força de oposição ainda que sua base seja a ''rica'' Santa Cruz de la Sierra - o que, convenhamos, é muito para um país que há muito tempo não tinha governo ou instituições de confiança.
 
Se Evo Morales será um Lula (vendido para os seus e glorificado pelos outros) ou um Chavez (demônio populista ou anjo socialista?), ninguém sabe ainda - mas a Polyana dentro de mim me diz que, assim como parece, pelo menos dessa vez alguma coisa deu certo para os ''hermanitos'' mais pobres do nosso continente.
 
Boa sorte a eles, pois - e a nós, também (vamos precisar muito ...).
 

19.12.05

É tricampeão mundial !!!

O único campeão mundial pela Fifa e pela Toyota saúda seus guerreiros; e
  • Paulo Autuori, que soube fazer um time segurar 60 minutos de desespero e criar uma linha de impedimento que funcionou quando precisava;
  • Rogério Ceni, que pegou até aquilo que não sabe e mereceu levar a taça de melhor do torneio com méritos;
  • Lugano, elogiado até pelo Galvão Bueno por lembrar que o Uruguai estava lá representado (assim como Gamarra e o Paragual em 2000)
  • e Mineiro, porque alguém tinha que fazer o gol do título que o ataque não fez.
Foi sofrido, foi duro, mas foi gostoso - e valeu (ufa !!!).
 
...
 
Aos corinthianos, um aviso: ao contrário de outros sãopaulinos por aí, o mentor do Olho Clínico reconhece, sim, que aquela estrela acima das outras no distintivo do Timão significa que ele foi campeão do Mundial de Clubes em 2000 no Brasil.
 
Mas também reconhece que é fácil pra caramba entrar como convidado representando o país-sede, passar para a final no saldo de gols com um gol no finzinho contra um time saudita (coincidência, não?) e ser campeão do mundo numa ''final caseira''.
 
Não é nada, não é nada, também é título: mas bem que vocês podiam tentar ganhar a Libertadores de vez em quando ...
 
...
 
E, falando em campeão do país-sede:
 
A única falha que a Fifa reconheceu nesse campeonato foi justamente a falta de um ''Corinthians'', ou seja, do campeão do país sede que chama gente para os estádios (é, porque nem no Japão alguém paga horrores para ver Saprissa X Sydney FC, ou coisa parecida).
 
E isso pode ser ótimo para o São Paulo, porque, se a Fifa não pode colocar o campeão da casa no próximo mundial sem beneficiar alguém, eles vão ter que fazer um esquema para que tenhamos 8 times no certame.
 
E quem melhor do que o atual campeão mundial para completar a lista, hein? :D

13.12.05

O cidadão comum brasileiro

Idelber Avelar, no blog ''O Biscoito Fino e a Massa'', fez um perfil muito interessante do direitista brasileiro, essa espécie que ama ler Diogo Mainardi na Veja e adoraria ver o Brasil adotando a receita liberal ao extremo (está em http://www.idelberavelar.com/archives/2005/12/perfil_do_direi.php). Para variar, nessas discussões bloguísticas, ele recebeu uma réplica com um perfil dos fulanos que acham que ''a luta sempre continua'', os esquerdistas de plantão - que está no site capitolio.org, em http://www.capitolio.org/content/view/233/2/ (se bem que esse último é cópia do primeiro, e mal feita, por sinal).
 
Tudo isso é muito justo, cada um com sua opinião, e esquerdistas e direitistas tem todo o direito de desprezarem um ao outro - mas faltou o perfil fundamental, o do ''cidadão comum'', que é na verdade quem faz a balança pender para um dos lados e determina quem vence eleições nessa Terra onde se plantam muitas idéias, mas não se colhe tanta coisa assim. Segue, então, o ''Top 10 do Homer'', a definição do Olho Clínico para o cidadão cultural brasileiro (com a ajuda de Willam Bonner, é claro):
 
1.    O cidadão comum vive no Brasil, e não em Cuba, China ou EUA - ele sabe que Bush é um idiota e Fidel, um tirano, mas de chinês só conhece mesmo o cara que vende muamba na Galeria Pajé; isso se ele não lembrar da última visita à Disney ou de que o Zé Dirceu deu uma passada em Cuba nos tempos da ditadura; ou melhor, esqueça o Zé Dirceu, o cidadão comum nem se lembra mais que ele existe desde que ele foi cassado e sumiu da televisão.
 
2.    O cidadão comum não sofre de profunda nostalgia: também, com tanta conta para pagar e problemas a resolver, ele nem consegue pensar em ler Diogo Mainardi e Frei Betto, quanto mais o Paulo Francis que ele só lembra porque era ''um esquisito que falava com uma batata na boca''; e, para não dizer que não sente saudades, sim, ele sente - o cidadão comum lembra muito bem da infância, dos tempos em que brincava de roda, esconde-esconde, cabra-cega e futebol de rua.
 
3.    O cidadão comum não sabe o que é ''ser blasé'' - mas ele fica raivoso, sim, quando o vizinho toca música alta ou quando vê o estouro da conta do cheque especial.
 
4.    O cidadão comum não frequenta clubes, e não sabe quem é o Bolinha porque lia Mônica e Cebolinha - e a mulher do cidadão comum não gosta de política (o que talvez explique porque não existem namoros em clubes de esquerdistas e direitistas por aí).
 
5.    O cidadão comum costuma lamber as botas do seu patrão, porque é ele que lhe paga o salário; mas em geral não lambe botas de ninguém (principalmente se cheiram mal ou estão sujas de barro).
 
6.    Por alguma razão estranha o cidadão comum só gosta de assistir a filmes dublados que passam na Globo, talvez porque não saiba inglês ou não tenha paciência de ler as legendas; por alguma razão estranha o cidadão comum não sabe usar um computador direito, e não tem paciência nem mesmo de ler um manual - e, por alguma estranha razão, ele se identifica muito com Zezé de Camargo e Luciano e os ''2 Filhos de Francisco''.
 
7.    O cidadão comum brasileiro (ele não conhece bem o termo ''brazuca'') não sabe o que é ser liberal direito - ele não gosta que a filha durma fora de casa, e quer o filho de volta ''antes das 11'' mesmo que a balada só esteja começando; e, que interessante, não gosta dos empresários sanguessuas nem dos baderneiros do MST.
 
8.    O cidadão comum brasileiro não conhece direito a palavra ''etnia'', nem a palavra ''gênero''; e não sabe o que é doutrina, a não ser que seja evangélico praticante.
 
9.    O cidadão comum ouve pagode, É o Tchan, Leonardo, Daniel e Calypso.
 
10.    E, por último: ao contrário do esquerdista pesquisador e do direitista herdeiro de fortuna, o cidadão comum trabalha, e muito - e prefere mil vezes pensar em como vai resolver os problemas do dia seguinte do que ficar ''perdendo tempo'' com discussões sem sentido sobre esquerda e direita em geral.
 
Esse é o cidadão comum brasileiro, aquele que pende para um dos lados e decide eleições nesse país; é para ele que William Bonner faz o Jornal Nacional toda noite, e sua mulher é quem vai assistir as novelas da Globo e garantir a audiência secreta de todo dia-a-dia; é ele quem lota Universais para resolver seus problemas e vai a Aparecida pagar suas promessas de vez em quando; é ele quem levanta e dorme, e com seu suor ajuda a construir um país melhor, para seus filhos e para ele, todos os dias.
 
Você, que lê este blog, pode não gostar muito dele - mas não pode negar o seguinte: ele existe.
 

8.12.05

Poesias baseadas na mesma imagem - 1


Sarça ''estilosa''

Moisés, quando viu a original,
tremeu de espanto - queimava, sem queimar.

Ou, como diz a Bíblia:
"fogo saía, mas não a consumia".

Dizem que a pomba, ao centro, é o Espírito;
consola, presente, e lembra do Pai e do Filho.

De longe, parece uma árvore (e, na verdade, o é);
mas tem gente que acha que isso é apenas um repolho crescido.

Não duvido mesmo.

Mas, ainda que seja estranho pensar em quem sou eu de verdade,
me dá extremo prazer em olhar essa sarça e dizer: ''esse sou eu''.

Ou, talvez, espanto: "isso realmente sou eu?".

Quem sou eu?


A sarça ardente é o símbolo das igrejas reformadas desde 1583,
e foi ''importada'' dos Estados Unidos como o símbolo oficial da Igreja Presbiteriana do Brasil.
Esta é a última reestilização da sarça, datada de 1999.


FPS, 06/12/2005, 12:00

5.12.05

Kamen Rider já tem dono para a América Latina

 
Os saudosistas de plantão começaram a se perguntar se realmente procedia a informação da JPop que as séries Kamen Rider tinham grandes chances de vir para o Brasil; sabe como é, não somos mais crianças há um bom tempo e o complexo de ''seria bom para ser verdade'' é comum depois dos vinte e tantos - sem falar que os Power Rangers fecharam quase que em definitivo a porta para a volta dos supersentai ao Brasil.
 
Mas não é que o primeiro passo já foi dado? Pelo menos é o que se vê no site da Cloverway (http://www.cloverway.com), que foi a responsável pelo licenciamento de várias séries de anime - como Cavaleiros do Zodíaco, Dragon Ball Z, Sailormoon, Digimon e YuYu Hakusho; e que também tem os direitos de Love Hina, Full Metal Panic e outros.
 
Pois bem: a Cloverway realmente licenciou os direitos de todas as séries Kamen Rider desde 2000 (Kuuga, Agito, Ryuki-Dragon, 555 e Blade), conforme se vê nos sites abaixo (em inglês):
Infelizmente, ainda não podemos comemorar de todo - é importante lembrar que já tentaram vender Kuuga aqui sem muito sucesso em TV aberta, e que é preciso que alguém banque o investimento pesado em trazer uma série do Japão hoje; sem falar, é claro, na maldita portaria da censura e seus efeitos na programação infantil como um todo.
 
No entanto, é preciso lembrar uma coisa: esse é o primeiro passo para que alguém, um dia, venha a exibir os Riders na TV a cabo e, quem sabe, na TV aberta - e, quem sabe um dia, eu farei questão de comprar o boneco do Kuuga ou do Faizu para meus sobrinhos de 7 anos; é, sonhar não custa muito mesmo ... rs...
 

P. S.: O link para a matéria da JBox: http://www.portalsonic.com/jbox/megapreview.htm (cortesia do Lagarto, TCafé).

Internacional Campeão Brasileiro de 2005 ???

O Corinthians é tetracampeão brasileiro de 2005 para quase todo mundo, roubado ou não; mas o site do Internacional conta a estória da sua maneira - veja só em http://www.internacional.com.br/pagina.php?modulo=2&setor=18&codigo=2559 a ''dramática conquista''do Colorado gaúcho.
 
Melhor que isso, só a manchete do caderno de Esportes da Folha de São Paulo : "TETRA !!!(?)".

 

1.12.05

Volta do Menudo: isso é ... incrível ...

Eu ia mandar o texto a respeito do fulano que foi condenado por fazer coisa feia com o cavalo, mas como isso não é trash mas sim uma baita duma indecência, encontrei essa matéria da Folha Online sobre a volta dos que nunca deviam ter ido, o Menudo patrocinado pelo Roy (que, aliás, até ''reencontrou'' a filha no Brasil dia desses) - segue o link:
 
 
E, a propósito: sim, esse que vos escreve já teve single do Menudo e ensaiou o ''Não se reprima'' ...

Para pensar - Peter Pan. (via romantizado)

Ela me disse que amar era sofrer, e eu olhei pra ela e disse que sofreria por ela. Peter Pan. (via romantizado) http://ift.tt/2j028rt via ...